12/04/2019
  • Google+
  • LinkedIn

Evolução de Inteligência Artificial aplicada ao direito gera ‘máquinas que aprendem’

Por Galeria de Comunicações
 
Aplicado no mundo em larga escala, inclusive na área do direito, o “Machine Learning” ou “Aprendizado de Máquina”, se refere a algoritmos de computadores que simulam processos de aprendizagem.
 
A exemplo do que ocorre na Europa e Estados Unidos, o Brasil também é palco da implantação da inteligência artificial, nos escritórios de advocacia e no judiciário.
 
“A utilização da tecnologia, em especial da Inteligência Artificial, é cada vez mais frequente na advocacia por conta da agilidade com que executa as tarefas, o que por sua vez resulta em mais tempo para os advogados se dedicarem ao estudos dos casos ao livrá-los de tarefas repetitivas e maçantes”, argumenta José Nilton Alcantara, CEO da InteliJur e diretor da FDJUR, organizador do evento.
 
Focado no público formado por empresários, executivos e profissionais da área do Direito e Tecnologia, entre outros, a InteliJur, empresa de informação e pesquisa focada no mercado jurídico, realiza no dia 25 de abril, no Maksoud Plaza Hotel (rua São Carlos do Pinhal 424, Bela Vista, São Paulo), o “Legal Tech Forum 2019”.
 
O painel que abrirá o evento será o “PARKER – IA Aplicada ao Jurídico”, que reunirá Carlos José Pereira, diretor-presidente da Fácil, empresa que desenvolveu o PARKER, ferramenta para o “Aprendizado de Máquina”; Wagner Martins Ramos, da Pipek, Penteado e Paes Manso Adv. Associados e Arthur Hamann Pereira, Gerente do Departamento de Documentação e Treinamento da Fácil.
 
No caso dos algoritmos tradicionais, que era o que existia até recentemente, tudo o que deveria ser executado pela máquina tinha que estar explicitado no código do programa, escrito por um programador. Havia uma escassez de técnicos no mundo para programar tudo o que era necessário.
Mas isso mudou radicalmente com o surgimento de algoritmos que se comportam de formas diferenciadas, inclusive não previstas pelo programador, já que “aprendem” a partir dos dados que tiverem sido colocados à sua disposição.
 
“Novos algoritmos de ‘Aprendizagem de Máquina’ aprendem com dados históricos do escritório ou organização, verificam como os humanos vinham classificando publicações, ‘aprendem’ e classificam novas publicações mais rápido do que os humanos”, explica Pereira, cuja empresa investe em desenvolvimento de Inteligência Artificial desde 2014. “No caso do ambiente jurídico, o PARKER lê as publicações do ‘Diário Oficial’ as classifica e distribui entre os advogados responsáveis, que já contam as providências e os prazos.”
 
Um mesmo algoritmo pode servir para muitas organizações, o que muda são os dados colocados à disposição, e não algoritmos diferenciados para cada uma. É garantido que as novidades no setor de Inteligência Artificial não irão parar por aí. Diversos países, inúmeros estudiosos, técnicos, universidades e empresas espalhadas pelo mundo investem maciçamente no setor, que representará a nova revolução da área tecnológica.
 
A expectativa é de que, dentro do mercado de LawTechs no Brasil e no exterior, a IA represente uma grande revolução na área do direito nos próximos anos. Nos próximos 5 anos haverá uma gama enorme de atividades sendo realizadas por agentes automatizados de aprendizagem de máquina na área do direito.
 
Os interessados em participar do evento podem obter mais informações por meio do e-mail eventos@intelijur.com.br; do telefone (11) 5041-8317 e no site www.legaltechforum.com.br
 
InteliJur é uma empresa de informação e relacionamento focada no mercado jurídico. Por intermédio do portal, reúne advogados de empresas (FDJUR), advogados de escritórios e prestadores de serviços, com notícias, informações e pesquisas. Através do Diretório Jurídico é possível que os departamentos jurídicos ou outros advogados interessados em prestadores de serviços jurídicos encontrem os escritórios com perfil ideal para contratação. Eles podem selecionar o perfil do escritório selecionado por localização, porte do escritório, áreas jurídicas de atuação e até por setores da economia que o escritório tenha expertise.

FDJUR – Fórum de Departamentos Jurídicos – é o maior e mais completo fórum de relacionamento e discussão de boas práticas na gestão de departamentos jurídicos do País. Foi criado há dez anos como uma associação sem fins lucrativos e exclusiva para profissionais de departamentos jurídicos. Por intermédio de ampla rede de contatos, interage com mais de 10.600 profissionais de departamentos jurídicos em 4.887 empresas. Tem a missão de estimular e promover debates, estudos e pesquisas; investir no conhecimento técnico, além de valorizar, reconhecer e premiar as boas práticas de gestão na área.

 

Fonte: Intelijur